Archive for janeiro, 2013

Um domingo (mais) triste

Todos estamos sujeitos.

Quantos jovens injustamente se sentirão culpados por terem convidado aquele amigo para a festa, aquele que, longe demais da saída, tentou refúgio no banheiro, e não conseguiu escapar da inclemência do fogo?
Quantos pais e amigos não tiveram a chance da despedida?
E por outro lado, quantos outros pais e amigos, todos os dias, também não têm essa chance quando das pequenas tragédias cotidianas?

Quem nunca fez festa em um lugar pequeno demais, ou apertado demais, ou sem a segurança adequada? Quem nunca fez ou viu alguém fazendo, de propósito ou não, uma bobagem irresponsável que poderia ter acabado mal?

Houve uma sucessão de erros no caso da boate Kiss, um sem-número de ocorrências de irresponsabilidade. E é triste que, para que haja punição à irresponsabilidade, tenha que haver tragédia. Para as demais boates, a superlotação, a falta de saídas de emergência, a falta de sinalização, a falta de preparo dos seguranças, a brincadeira com fogo, e mesmo o despreparo dos foliões, que não sabiam onde se refugiar ou que corriam por suas vidas desorganizadamente, pisoteando os demais; tudo isso, para as outras boates, não será um problema, pois isso tudo só se tornou um problema para a Kiss quando uma fagulha acertou algum material inflamável. Aquela fagulha, que pôs o ponto final em tantas histórias. Aquela fagulha, que denunciou irresponsabilidades e falhas: dos donos, dos seguranças, da banda, da sociedade, do poder regulador.

Presto aqui minhas condolências aos familiares das vítimas deste acidente, e de todas as demais tragédias que ocorrem todos os dias graças ao descaso do humano com os demais de sua espécie. Que os sobreviventes possam ter paz, bem como todos nós, sobreviventes da luta diária que é viver neste mundo. E, sobretudo que, daqui para frente, a fagulha que inflama e denuncia seja apenas metafórica.

Anúncios

Leave a comment »